Encontrando Luz na Escuridão: A Tragédia de Myanmar

Trump é o Ciro de Hoje?
05/11/2018
O que fazer com a perseguição na China?
06/11/2018

Encontrando Luz na Escuridão: A Tragédia de Myanmar

A escuridão, em seus muitos modos intimidadores e assustadores, não é a palavra final.

Enquanto eu caminhava entre as brilhantes estopas douradas do Pagode Shwedagon em Yangon, Mianmar (ex-Birmânia), era difícil acreditar que a apenas alguns quilômetros ao norte, um genocídio tivesse ocorrido pelos militares do país.

Os Rohingyas, um nome popular que já foi desconhecido, é agora um ponto comum de nossas conversas. Mas mesmo quando assumimos que as acusações em todo o mundo são auto-evidentes por trás do genocídio desses muçulmanos étnicos no coração de um país budista, esse é um fato do qual a pequena comunidade cristã está bem ciente.

Nos perguntamos sobre o silêncio da líder de fato do país, Aung San Suu Kyi, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1991. Quais são os fatores na arquitetura social de Mianmar que contribuíram para essa tragédia aparentemente imperdoável?

Para começar, Mianmar é um país de 54 milhões de habitantes, dividido em oito grandes raças étnicas agrupadas por região, mais do que língua ou filiação étnica. Estas regiões camuflam seus atuais 135 grupos étnicos distintos!

Nós também assumimos rapidamente que a globalização é boa, unificando as pessoas de todos os tipos de vertentes culturais. A democracia e os direitos humanos que valorizamos muito não são necessariamente adotados. Tribalismo muitas vezes governa, e Myanmar é um excelente exemplo. O maltrato de minorias étnicas ou religiosas não é novidade no que foi outrora a Birmânia. Internamente, há cerca de 600 mil pessoas deslocadas, sem contar as dezenas de milhares que ainda estão em campos na Tailândia e outros países vizinhos.

As regras militares

Embora Myanmar seja, nominalmente falando, um país com um governo de um parlamento eleito, ainda são os militares que governam. Myanmar realizou eleições gerais em 2015; no entanto, 25% dos assentos no parlamento são controlados pelos militares.

Ainda mais importante, os militares, chamados Tatmadaw, nomeiam o ministro da Defesa – que por sua vez controla toda a polícia local – e o chefe da maior corporação econômica em Mianmar. Além disso, o judiciário não é independente. Em suma, não há nada aqui que seja independente na política, no direito ou na economia. O Tatmadaw tem um hammerlock no país. Na constituição de 2008, eles mantiveram os direitos, sempre que assim escolherem, de assumir e devolver o país a uma ditadura militar. Isso cria um medo persistente entre muitos, especialmente durante os últimos meses do desastre de Rohingya.

O genocídio dos Rohingyas

Neste país predominantemente budista, os Rohingyas têm sido uma minoria mantida em suspeita pelos poderes dominantes por muito tempo.

Vivendo no estado de Rakhine, com raízes em Bangladesh, eles traçam ancestralidade na Birmânia até o século VIII. Mesmo assim, a lei de Myanmar não os reconhece como uma das oito raças “indígenas nacionais”.

Visto como imigrantes ilegais, o governo os identifica como “Bengalis”; não só eles não têm direitos básicos, mas o antagonismo e a agitação foram exaltados por um nacionalismo religioso majoritário budista. Esse incitamento ao ódio nas últimas décadas transformou o estado de Rakhine em um barril de pólvora.

Podemos compará-lo com Ruanda. Lá, como em Myanmar, a combinação de ódio entre seus grupos de pessoas começou com seu antigo colonizador, que no caso de Myanmar foram os britânicos, que impuseram a identidade baseada na raça.

Em 25 de agosto de 2017, a facção rebelde, a ARSA (o Exército de Salvação Arakan Rohingya) atacou 30 locais da força de segurança e matou 12 militares. Este foi suficiente para o governo puxar o gatilho. Estima-se que dentro de um mês, 9 mil pessoas morreram, com relatos confiáveis ​​de estupro, tortura e queima de aldeias. Hoje, mais de 900.000 Rohingyas fugiram, principalmente para Bangladesh. A acusação de genocídio contra os militares é incontestável.

A União Européia impôs sanções contra sete autoridades de segurança de Mianmar, acusando-as de violações de direitos humanos, incluindo assassinatos e violência sexual. Isso está gerando nas forças armadas uma disputa para tirar essas restrições desconfortáveis. As Nações Unidas foram solicitadas a encaminhar isso ao Tribunal Penal Internacional.

O quebra-cabeça da violência pelos budistas

Como esse banho de sangue poderia acontecer pelas mãos daqueles retratados como budistas amantes da paz? Uma resposta simples envolve os motivos dos militares com seu sentimento de indignação. Liderados pela maioria Baha ao longo dos anos, os militares fundiram a religião e o nacionalismo em uma mistura explosiva.

Francis Wade explora seu medo de perder a pureza de sua fé e domínio cultural: “Por que na paisagem mutante de Myanmar, surgiram fatores tão ferozes em seu fervor que construiriam uma cerca com seus ossos, ou que, ao contrário, às suas palavras, procurar matar qualquer ameaça à sua religião? ”

O medo alimentou a raiva e a violência contra a minoria muçulmana, especialmente no estado de Rakhine, com rumores de que hordas muçulmanas estavam assumindo o poder. Comportamento irracional pegou, agitando a violência da multidão para matar, estuprar e aniquilar aldeias inteiras. Essa tragédia não é a primeira vez em nosso mundo que o medo e a raiva geraram um instinto maligno que inflama o ódio, impelido para a limpeza étnica.

Esta é uma parte real da recente história de Mianmar.

A Estranha Liderança de Aung San Suu Kyi

O que devemos fazer de Aung San Suu Kyi? Décadas atrás, o Ocidente apressou-se a tecer elogios nesta “Senhora” da terra por coragem e graça. Mas, ao não condenar o que os militares fizeram aos Rohingyas, ela agora é condenada – elogios desfeitos pela desgraça.

Ela era filha de seu primeiro líder pós-colonial, Aung Sui, que foi assassinado em 1945, apenas seis meses antes de assumir a liderança depois dos britânicos. Treinada em Oxford, ela se casou e teve filhos, mas retornou e liderou uma revolta. Ela foi colocada em prisão domiciliar até 2010, quando se tornou sua líder. O Prêmio Nobel da Paz que ela recebeu por seus esforços anteriores em alcançar um tipo de democracia para seu país está agora em disputa; agora há pedidos para que seja rescindido.

O mundo julgou cedo demais? O país é, na prática, uma ditadura militar; o poder do parlamento é passageiro. Qualquer crítica de suas ações ou desafio à sua autoridade pode desencadear um retorno ao antigo regime militar. O país fica no limite das hostilidades tribais.

Como ela consegue administrar o ódio interno – emoções alimentadas pela superlotação, pelo budismo militarista e pelo nacionalismo? O que ela tem feito não é apenas desconhecido para nós de fora, mas para aqueles que vivem na terra.

Ela disse que condenou “todas as violações dos direitos humanos e violência ilegal” e que sentiu “profundamente pelo sofrimento de todas as pessoas envolvidas no conflito”. Essa declaração, é claro, não satisfez a Anistia Internacional nem a maioria dos governos, especialmente no oeste.

Ela poderia ter parado o genocídio? Deveria ter renunciado ou, pelo menos, falado antes e com maior clareza? Nós desejamos que ela tivesse. Ela era capaz? Com o tempo, podemos aprender que, mais do que nunca, ela precisa se fortalecer do lado de fora para reforçar seu papel no fornecimento de resistência interna aos militares. A longo prazo, isso pode importar mais do que o nosso coro de difamação.

Cristo e César

O que então um seguidor de Cristo pode fazer? Enquanto os cristãos representam cerca de dez por cento da população de Mianmar, durante anos eles viveram sob opressão militar. Eles enfrentaram oposição e perseguição direta dos militares no poder e de seus nacionalistas religiosos majoritários.

No entanto, o evangelho fundou suas raízes profundamente na terra. Hoje, há alguma influência cristã no governo. Um político cristão atua como vice-presidente do governo e outro atua como presidente da Câmara.

Isso não garante, é claro, que a justiça prevaleça, mas pode ser um estágio importante na influência gradual da comunidade cristã. Os cristãos estão saindo lentamente da memória da opressão e começando a ver sua influência de maneiras que nunca viram.

Esperança para Myanmar

À medida que as igrejas são plantadas, à medida que as faculdades cristãs e as escolas de treinamento se tornam cada vez mais ativas, à medida que a tradução da Bíblia continua, enquanto as agências de socorro e desenvolvimento realizam seu trabalho que salva vidas, há uma esperança perceptível por dias melhores.

Fiquei diante de 200 estudantes universitários, resilientes e motivados a tornar Cristo conhecido. Lembrei que eles têm a atenção do mundo e que a resposta deles é um momento de ensino para cristãos em outros países.

Mas eles estão em um lugar difícil. Agora os cristãos nos estados do sul de Myanmar têm relativa paz. Se eles dissimulam sua oposição às forças armadas, eles enfrentam duas possibilidades: os militares podem atacar com um punho de ferro ou afastar o governo – tão impotente quanto ele é – e restabelecer o regime militar. Mais alarmante, e o que não é relatado, é que o povo Kachin – cerca de seis milhões no norte e 90% cristãos – estão sob ataque. Eles estão experimentando um tratamento hostil semelhante ao que foi feito contra os Rohingyas.

Para muitos seguidores de Cristo, as questões locais parecem intransponíveis e as soluções indisponíveis. O apóstolo João disse isso sobre a vinda de Jesus: A luz brilha nas trevas e as trevas não a superaram. A escuridão, em seus muitos modos intimidadores e assustadores, não é a palavra final. O evangelho é luz perpétua e a luz está na mão de Cristo. Seu povo, irradiado por essa luz, será um meio pelo qual os cardápios da política escritos no escuro são trazidos à luz.

Para meus colegas e amigos em Myanmar, discernindo os fatos e procurando viver em meio a essas realidades, eu oro para que, no poder do Espírito, emoldurado e inspirado pela justiça amorosa de nosso Senhor ressuscitado, vocês sejam corajosos e sábios em falar o que é verdade.

Viver com César nunca permitiu escolhas fáceis.

* Francis Wade, Enemy Within de Myanmar: Violência budista e a produção de um muçulmano “Other”, Zed Books.

Brian Stiller, filho de um pregador, é embaixador global da Aliança Evangélica Mundial. Ele serviu como presidente do Tyndale University College & Seminary em Toronto. Seu último livro é De Jerusalém a Timbuktu: Uma Turnê Mundial da Propagação do Cristianismo.

Inscreva-se no canal e fique por dentro de nossos novos vídeos!!

########################################
BAIXE O E-BOOK GRATUITO “COMO LER A BÍBLIA E ASSINE A NEWSLETTER DO NASCIDO! Lives Exclusivas, Estudos, Artigos, E-Books e etc... http://bit.ly/2DTB0b1

########################################
► Siga-me ◄
✩ Instagram: https://www.instagram.com/nascidodenovooficial/
✩ Facebook: https://www.facebook.com/nascidodenovo.org
✩ Facebook Pr. Raul: https://www.facebook.com/prraulbolota
✩ Twitter: https://twitter.com/nascidodenovo
✩ Site: http://www.nascidodenovo.org ✩ Pinterest: https://br.pinterest.com/nascidodenovo/
✩ Periscope: @nascidodenovo
✩ Cursos do Nascido de Novo: https://nascidodenovo.org/v4/cursos-nascido-de-novo/

######################################
Quer enviar algo para nós? Mande para nossa Caixa Postal:
Caixa Postal 73 - Araraquara - SP - CEP14801-970
Todos os presentes serão mostrados em nossos vídeos de Recebidos e mostrados em nossas redes sociais!
Se não quiser que apareça só mandar uma cartinha junto pedindo sigilo.
Nosso e-mail: contato@nascidodenovo.org

######################################
CONTRIBUA COM O NASCIDODENOVO.ORG:
https://nascidodenovo.org/v4/mantenedores/

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *