UMA DECISÃO DESASTROSA – A Vida de Abraão

Mulheres e meninas libertadas do Boko Haram estão grávidas
04/06/2015
Ex-jogador doou carro para apóstolo e recebeu 416 multas
05/06/2015

UMA DECISÃO DESASTROSA – A Vida de Abraão

Leia Gênesis 13:10-12; 19:1-38
U m dia desses comecei a refletir sobre os homens que eu conheci e que tomaram algumas decisões desastrosas em suas vidas. Em alguns casos, os seus casamentos se desintegraram. Seus filhos foram abandonados e ficaram desiludidos, alguns chegaram até mesmo a negar a sua fé totalmente. Outros continuam vivendo uma vida dupla, alegando serem cristãos, mas na verdade vivem como se não o fossem. Há também os que se afastaram de Deus. E os que acabaram sendo presos. Devido à graça de Deus, dentre eles há quem tenha voltado para o Senhor, mas infelizmente muitos continuam pagando o preço pelos seus pecados.

UMA HISTÓRIA TRISTE

John e Jane (estes não são os seus nomes verdadeiros) freqüentaram uma universidade cristã onde estudaram a Bíblia e os valores cristãos. Ambos tinham talentos musicais e ministraram juntos durante alguns anos. Entretanto, em um determinado momento de suas vidas, começaram a questionar a autoridade de Deus sobre eles. Decidiram então fazer com que seus filhos fossem criados em um ambiente onde tivessem liberdade total de escolher qual seria a sua fé e modo de vida. Pararam de freqüentar a igreja e passaram até mesmo a menosprezar aqueles que o faziam. Eles deixaram claro que haviam es

colhido um caminho “melhor”, uma estrada “mais iluminada”. John era especialmente arrogante sobre as suas capacidades intelectuais.

Nunca me esquecerei do dia em que John me ligou. Jane havia acabado de trocá-lo por outro homem. Seus filhos, que agora eram adolescentes, viviam vidas imorais e estavam envolvidos com drogas. Sua filha estava numa situação tão ruim que precisou ser hospitalizada.

Quando me encontrei com John naquele dia, vi que estava diante de um homem totalmente quebrantado. Ele admitiu o sério erro que cometeu como marido e pai. Confessou seu pecado e recebeu o perdão de Deus, só que infelizmente era tarde demais para salvar o seu casamento e sua família. O estrago já havia sido feito. Foi uma experiência triste e decepcionante. Mesmo que agora ele tenha casado novamente e esteja vivendo de acordo com a vontade de Deus, quando ele olha para trás, vê que aquele período de sua vida foi algo desastroso. Mas, para o seu próprio bem, ele conseguiu juntar os pedaços e, com a ajuda de Deus, voltou a fazer a vontade do Senhor.

BASES PARA O DESASTRE

Um estudo da vida de Abraão seria incompleto se não olharmos cuidadosamente os resultados da decisão ingrata e egoísta de Ló, que abandonou o seu tio e mudou para Sodoma. Aquela decisão também foi algo desastroso. Ló acabou se afundando em uma vida carnal e deteriorada. Os tentáculos do pecado envolveram a sua alma, e isso resultou num fim triste e patético para ele e sua família. Sua história demonstra de forma dramática o que acontece quando desobedecemos deliberadamente e decidimos caminhar fora da vontade revelada de Deus.

Por que Ló tomou uma decisão tão infeliz ao mudar as suas tendas em direção a Sodoma? O que estabeleceu as bases para tal decisão desastrosa?

O que ele viu

Ló “levantou… os olhos” (Gn 13:10a). Seus olhos tornaram-se janelas para sua alma, acionando seus desejos egoístas. Como resultado,

acabou esquecendo e também ignorando tudo o que seu tio já havia feito por ele. Com certeza, isso não aconteceu de um dia para o outro. A decisão desastrosa tomada por Ló não resultou apenas de uma olhadela. Esse tipo de decisão sempre é o resultado de um processo. Ele já havia experimentado da boa vida. Abraão tinha compartilhado muito de sua riqueza com seu sobrinho. Assim como a maioria de nós, Ló continuava querendo mais. Lembre-se também de que ele já havia conhecido as abundantes pastagens do Egito e o vale do Jordão lhe oferecia o mesmo luxo.

O que ele ouviu

Certamente Ló já havia ouvido algumas histórias intrigantes e maliciosas sobre a cidade de Sodoma, um lugar conhecido por sua imoralidade. Os shows de sexo explícito que temos em nosso tempo, os filmes pornográficos e outras formas de libertinagem são sutis se comparadas com o que estava acontecendo em Sodoma. Aquela era a cidade-símbolo do pecado no mundo do Antigo Testamento, um dos lugares mais malignos da terra. Na verdade, não conheço nenhuma outra cidade de nosso tempo que possa ser comparada com as práticas malignas de Sodoma. Os pecados das pessoas que viviam lá subiam como um odor fétido diante de Deus.

O que ele pensou

Em algum momento de sua vida, Ló deve ter racionalizado a sua decisão. Talvez ele tenha pensado: “De qualquer maneira o tio Abraão tem muito mais riquezas do que eu, isso vai apenas equilibrar as coisas”. Ou então: “Meu velho tio Abraão é meio ingênuo, ele não se importa muito com essas coisas mesmo. Afinal de contas, ele pediu que eu fizesse uma escolha”. Quem sabe, pensando sobre Sodoma, Ló possa ter dito a si próprio: “Aquela cidade pecaminosa precisa de um forte testemunho para o Senhor. Afinal de contas, quem vai falar a eles sobre Deus?” Talvez ele sentisse que sua família precisava ser mais “exposta” ao mundo. Afinal, o seu tio estava ficando muito religioso, construindo altares em todos os lugares e clamando pelo nome do Senhor.

Quaisquer que fossem as desculpas ou racionalizações de Ló, as bases para sua decisão estavam centradas somente em seus desejos egoístas. Ele não consultou Deus a respeito. Para ser sincero, Ló deixou Deus completamente de fora. Ele não pensou durante muito tempo, se é que chegou a pensar, sobre como sua decisão afetaria o seu tio. Certamente não levou em conta os efeitos negativos que a cidade de Sodoma podería ter sobre seus filhos – e sobre si mesmo. Sua escolha estava totalmente baseada no que o apóstolo João chama de “a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida” (1 Jo 2:16). O que ele viu e ouviu o intrigou. Ele racionalizou tudo e, sem levar em conta a opinião de outras pessoas, tomou uma decisão desastrosa.

PASSOS QUE CONDUZEM PARA O DESASTRE

Os motivos que levaram Ló a fazer aquela escolha não podem ser distinguidos dos passos específicos que ele deu após ter tomado sua decisão anterior (Gn 13:10-12). Leia o texto atentamente, pois esses passos são inerentes a qualquer decisão que o homem toma, seja ela boa ou ruim.

Ló levantou os olhos e viu

Quantas vezes você já fez alguma coisa errada ou tola porque permitiu que seus olhos vissem coisas que estavam fora de sintonia com a vontade de Deus? A maioria dos nossos grandes fracassos pode ser atribuída à “concupiscência dos olhos”. Na verdade, foi desse modo que o pecado entrou pela primeira vez na raça humana “ Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu” (Gn 3:6).

Muitos anos depois, um dos pecados mais famosos da história de Israel também começou com os olhos. Um dia, quando tinha bastante tempo disponível, “levantou-se Davi do seu leito e andava passeando no terraço da casa real; daí viu uma mulher que estava tomando banho-, era ela mui formosa. Davi mandou perguntar quem era” (2 Sm 11:2,3).

O resto da história é bastante conhecido.1 Davi mandou buscar Bate-Seba e cometeu adultério com ela. Mais tarde, ao ser apanhado na armadilha que havia preparado para si mesmo, ele acabou ordenando um assassinato para tentar escapar dos resultados de seu pecado anterior.

O primeiro pecado de Davi o levou a cometer outro, que foi ainda mais vergonhoso. Como resultado, ele teve de pagar o preço por aqueles pecados pelo resto de sua vida. Ainda que Deus certamente o tenha perdoado, pois ele havia se arrependido sinceramente, Davi não conseguiu escapar dos resultados. Aquilo teve um impacto devastador na vida de seus próprios filhos. Por causa do triste exemplo dado por seu pai, eles também cometeram alguns pecados horríveis em Israel.

Ló escolheu para si ,

O próximo passo de Ló foi fazer uma escolha. Ele “escolheu para si toda a campina do Jordão” (Gn 13:11 a). Todo o pecado*que o homem comete é resultado de uma escolha.

Daniel nos dá um exemplo bastante positivo no Antigo Testamento.2 Ele se destaca dentre os muitos santos do Antigo Testamento ao demonstrar pureza em meio a tentação. Certamente seus olhos ficaram realmente fascinados com a comida e as delícias do palácio do rei. Mas a Bíblia nos diz que, mesmo sendo jovem, “resolveu Daniel, firmemente, não contaminar-se com as finas iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia” (Dn 1:8). Daniel permaneceu firme em suas convicções. Isso afetou a sua escolha. Em contraste, Ló escolheu satisfazer a si mesmo ao tentar saciar os desejos de um homem pecaminoso.

Ló viveu entre as cidades da campina

O último passo foi a separação de Abraão. O texto nos diz que eles “separaram-se um do outro” (Gn 13:11), e Ló foi “armando as suas tendas até Sodoma” (v. 12b).

Os passos dados por Ló são bastante claros. O que ele viu primeiro acabou se tornando um olhar contínuo. Depois ele fez uma

escolha. Finalmente, ele agiu baseado nessa escolha. Ele decidiu possuir aquilo que havia visto e escolhido.

José, porém, nos dá ainda outro exemplo positivo.3 Enquanto era um servo na casa de Potifar, no Egito, ele era tentado sexualmente pela mulher de Potifar dia após dia. Mesmo assim, José entendeu que se fosse se deixar levar por aquela tentação, seria algo errado, um pecado contra Deus e seu patrão. Um dia ele foi tentado muito além daquilo que já havia visto e ouvido. A mulher de Potifar “o pegou pelas vestes e lhe disse: Deita-te comigo” (39:12).

Como teria sido fácil para José racionalizar o seu comportamento, como fez Davi, mas assim como Daniel, ele já havia tomado uma decisão com antecedência. Consequentemente, “ele… deixando as vestes nas mãos dela, saiu, fugindo para fora” ‘ (v. 12).

UM PREÇO TERRÍVEL A SER PAGO

Os passos dados por Ló resultaram em problemas bem sérios (Gn 19:1-38). É evidente que o Senhor quer que nós saibamos, exatamente, quão sério era este problema. Por isso Deus inspirou Moisés a registrar detalhadamente tudo o que aconteceu por causa da decisão de Ló. Mesmo que estes detalhes sejam bastante explícitos (pois a Bíblia é um livro honesto), o que aconteceu serve como um sério alerta para qualquer homem que esteja tentado a fazer escolhas similares às de Ló. Não podemos brincar com fogo sem nos queimar.

Ló estava sujeito a um terrível incômodo

Qualquer homem que ficar amigo de pessoas pecaminosas e ímpias, mais cedo ou mais tarde irá sofrer as conseqüências disso. Foi isso que aconteceu com Ló. A verdadeira amizade está baseada no respeito mútuo e na preocupação, não no egoísmo. Leia cuidadosamente como os “amigos” de Ló o trataram quando ele tentou evitar que eles assediassem sexualmente os dois homens que o estavam visitando naquela noite. Na verdade, eram dois anjos. O relato bíblico não mostra algo bonito de se ver:

Mas, antes que se deitassem, os homens daquela cidade cercaram a casa, os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, sim, todo o povo de todos os lados; e chamaram por Ló e lhe disseram: Onde estão os homens que, à noitinha, entraram em tua casa? Traze-os fora a nós para que abusemos deles. Saiu-lhes, então, Ló à porta, fechou-a após si e lhes disse: Rogo-vos, meus irmãos, que não façais mal […] Retira-te daí. E acrescentaram: Só ele é estrangeiro [falando a respeito de Ló], veio morar entre nós e pretende ser juiz em tudo? A ti, pois, faremos pior do que a eles. E arremessaram-se contra o homem, contra Ló, e se chegaram para arrombar a porta.

Gênesis 19:4-7,9

Ló perdeu sua habilidade de fazer julgamentos mofais

É trágico quando um homem perde a sua habilidade de discernir entre o certo e o errado. Ló se tornou uma pessoa inconstante e confusa. Seu comportamento passou a ser bizarro. Ele tentava proteger os dois homens, que eram completamente desconhecidos para ele, de sofrerem um abuso sexual. Mas, por outro lado, fez algo pior: ofereceu suas próprias filhas em lugar deles (19:8).

Eu fico quase totalmente perdido ao tentar explicar o comportamento de Ló. Posso apenas concluir que quando as pessoas deixam de obedecer a Deus numa determinada área de suas vidas, muitas vezes acabam se degenerando em outras áreas também. No final das contas, perdem toda a sua sensibilidade ao pecado, particularmente no que diz respeito à moral.

Esse é o pior tipo de deterioração. Era esse tipo de ambiente que o apóstolo Paulo estava descrevendo no primeiro capítulo de Romanos. Infelizmente, Ló era como um piloto de avião em meio a um intenso nevoeiro, voando sem instrumentos. Ele já não sabia se estava voando na posição correta ou de cabeça para baixo. Ló havia pedido completamente o sentido de direção espiritual. Esse é um tremendo alerta para todos aqueles que vivem em nossa cultura contemporânea.

Ló perdeu a influência sobre aqueles que estavam mais perto dele

Até mesmo os homens que estavam prestes a casar com as suas filhas perderam o respeito por Ló. Quando ele tentou avisá-los do julgamento que viria, aqueles homens o ignoraram. Eles nem mesmo o levaram a sério. Pensavam que Ló “gracejava com eles” (19:14). Eles não acreditavam em Deus em primeiro lugar, então por que deveriam acreditar no julgamento que viria? Eles simplesmente decidiram continuar comendo, bebendo, comprando, vendendo, plantando, construindo e com seu comportamento imoral (Lc 17:28).

Ló perdeu a vontade de fazer o que era certo

Esse é um dos passos mais sérios dados quando alguém está vivendo numa trajetória decadente, moral e espiritualmente. Ainda que Deus tivesse revelado sua vontade diretamente a Ló, ele hesitava em abandonar o ambiente pecaminoso em que vivia. Quando Ló alertou seus genros do juízo que se aproximava e eles não lhe deram ouvidos, é evidente que ele sentiu-se tão desmoralizado que perdeu a vontade de fazer o que era certo.

Se não fosse pela graça e o amor de Deus por Ló e sua família, eles teriam sido destruídos juntamente com as demais pessoas de Sodoma, O Senhor teve de tirá-los pela força daquele ambiente pecaminoso. Veja novamente o que dizem as Escrituras: “Como, porém, se demorasse, pegaram-no os homens pela mão, a ele, a sua mulher e as duas filhas, sendo-lhe o Senhor misericordioso, e o tiraram, e o puseram fora da cidade” (Gn 19:16).

Você não pode deixar de notar um importante aspecto nesta história. Lembre-se de que Deus estava mostrando ter compaixão da vida de Ló apenas por causa de Abraão, o mesmo homem que Ló havia tratado de maneira tão infame. O patriarca pediu que Deus guardasse seu sobrinho e a família da destruição total. Isso demonstra mais uma vez o tipo de caráter que Abraão possuía (18:22-33).

Ló se aproveitou da graça de Deus

Mesmo em meio à grande compaixão de Deus e todos os esforços dos outros para salvá-lo, Ló não queria obedecer-lhe por completo. O Senhor havia lhe dito para fugir para as montanhas para ser salvo, mas ele se aproveitou da graça de Deus e pediu por uma solução alternativa. Vemos aqui, mais uma vez, a compaixão do Senhor. Ele atendeu o pedido de Ló e permitiu que o sobrinho de Abraão fosse para Zoar, uma pequena cidade perto dali (19:19-23).

Ló perdeu a coisa mais importante que possuía

O resultado mais trágico da decisão de Ló em se mudar para Sodoma foi a perda da influência que tinha sobre sua mulher. Ela acabou desenvolvendo um senso de segurança tão grande com o estilo de vida daquele local pecaminoso que já não poderia suportar ter de abandoná-lo. Embora fosse retirada à força da cidade, ela queria retornar. Ela desobedeceu a Deus deliberadamente, por sua livre vontade, e olhou para trás (19:17,26). E evidente que ela também ficou para trás, por isso, quando o Senhor fez chover enxofre e fogo do céu, ela transformou-se numa estátua queimada. Para ser mais específico, as Escrituras registram que ela “converteu-se numa estátua de sal” (v. 26).

Imagine o horror que deve ter tomado conta de Ló. Aquele era o preço mais doloroso que ele teve de pagar pela sua decisão de expor toda a sua família à maldade de Sodoma.

Ló cometeu incesto com as suas próprias filhas

Por causa da influência pecaminosa de Sodoma, as filhas de Ló também perderam sua percepção do que era moralmente correto. Elas enganaram seu pai para fazê-lo ter relacionamento sexual com elas ao embebedá-lo. Aquelas mulheres estavam mais preocupadas com a sua posteridade do que em obedecer a Deus e em respeitar seu pai (19:30-38). Assim termina esta história bastante trágica. Ló nunca mais é mencionado na história de Abraão nem no resto do Antigo Testamento.

LÓ ERA UM VERDADEIRO CRENTE?

Esta é uma pergunta bastante pertinente, especialmente pelo fato de o apóstolo Pedro responder a ela de maneira bem específica: “[Deus] reduzindo a cinzas as cidades de Sodoma e Gomorra, ordenou-as à ruína completa, tendo-as posto como exemplo a quantos venham a viver impiamente; e livrou o justo Ló, afligido pelo procedimento libertino daqueles insubordinados (porque este justo, pelo que via e ouvia quando habitava entre eles, atormentava a sua alma justa, cada dia, por causa das obras iníquas daqueles)” (2 Pe 2:6-8).

Por três vezes Pedro usou a palavra justo para descrever a Ló. Isso certamente indica que esse homem – apesar de seu estilo de vida carnal – pode ter sido um verdadeiro crente. No entanto, ele acabou pagando um preço terrível por sua desobediência e modo de vida ímpia. Esse é um dos modos que Deus usa para disciplinar seus filhos quando eles estão vivendo em pecado. Podemos não experimentar o julgamento de Deus, mas trazemos julgamentos sobre nós mesmos através das conseqiiências naturais de nossos pecados.

TORNANDO-SE UM HOMEM DE DEUS HOJE

Princípios de vida

É impossível deixar de ver os princípios espirituais que se tornam evidentes na história da vida de Ló. Eles são bastante claros e específicos, sendo reforçados, vez após vez, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento.

• Princípio 1: O que vemos e ouvimos determina a maneira que pensamos; a maneira que pensamos determina as nossas ações.

Os passos para o sucesso ou desastre são os mesmos hoje que eram no tempo de Ló. Nossos olhos são janelas para a alma. Nossos ouvidos se tornam o elo de ligação para ouvirmos o que é certo ou errado. Como um todo, esse sistema audiovisual humano afeta a maneira

como pensamos. E o modo que pensamos afeta a maneira que respondemos a quase todas as situações. Paulo resume de uma maneira belíssima essa verdade na exortação que fez aos cristãos de Filipos:

Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai-, e o Deus da paz será convosco.

Filipenses 4:8, 9

• Princípio 2: Como cristãos, não podemos viver uma vida carnal sem pagar o preço terrível em nossas vidas pessoais, casamentos, vida familiar e relacionarhentos com os outros, tanto cristãos como não-cristãos.

Ló é um exemplo dado pelo Antigo Testamento de um crentescarnal. Infelizmente, seu estilo de vida carnal fez com que ele destruísse a si próprio. Sua recusa em fazer a vontade de Deus o levou a um trágico fim. Mesmo que no final ele tenha sido salvo, toda a sua vida foi caracterizada por ser uma existência miserável.

A mesma coisa pode acontecer com cada um de nós. Ainda que a história de Ló possa ser um caso extremado, o apóstolo Paulo continuou alertando aos coríntios. Ele usou uma linguagem que deveria chamar a nossa atenção. Veja as palavras do texto:

Porque ninguém pode colocar outro alicerce além do que já está posto, que é Jesus Cristo. Se alguém constrói sobre esse alicerce usando ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha, sua obra será mostrada, porque o Dia a trará à luz; pois será revelada pelo fogo, que provará a qualidade da obra de cada um. Se o que alguém construiu permanecer, esse receberá recompensa. Se o que alguém construiu se queimar, esse sofrerá prejuízo; contudo, será salvo como alguém que escapa através do fogo.
1 Coríntios 3:11-15, NVI

Será que Paulo estava pensando em Ló e sua experiência em Sodoma quando escreveu essas palavras? Se não estava, ele certamente poderia fazê-lo, pois elas descrevem a vida daquele homem. Como já vimos, Ló provavelmente foi salvo, mas todas as suas obras foram queimadas. Ele literalmente escapou do julgamento de Deus quase que “através do fogo”. Podemos apenas esperar que Ló tenha feito mudanças positivas em sua vida antes de ter sido chamado para o seu lar celestial. Caso contrário, ele não terá recompensas eternas para colocar aos pés de Jesus Cristo quando estiver diante de Deus no dia do juízo.
APLICAÇÃO PRÁTICA

A história de Ló é um caso extremo. A maioria de nós não é capaz de se identificar diretamente com a profundidade em que ele caiu. Mas certamente conseguiremos nos identificar com o processo. Todos os dias de nossas vidas o mundo nos apresenta os seus atrativos. Existem tantas coisas para serem vistas, observadas e para pensarmos a respeito. Essas coisas amortecem a nossa sensibilidade para Deus e sua Palavra. Nós nem ao menos precisamos procurar por elas. Elas vêm ao nosso encontro, até mesmo dentro de nossas casas, em especial através da televisão. Como é fácil fazer escolhas que são erradas e totalmente pecaminosas! Antes que possamos perceber, é possível ver-nos agindo de acordo com nossas escolhas.

Para alguns de nós, isso pode ser o desejo corriqueiro por coisas materiais. Talvez, para outros, possa ser a tentação sexual, particularmente através do que vemos, ouvimos ou pensamos. Também é possível que seja a tentação de nos tornarmos pessoas orgulhosas e arrogantes.

O Salmo 1 nos fornece um belo padrão de como resistir à tentação, tomar as decisões certas e experimentar os resultados positivos em nossas vidas. Enquanto você lê esse salmo, anote o processo que é detalhado no primeiro versículo. Uma vez que fazemos uma má escolha, acabamos assentados em meio a pessoas pecadoras. Foi exatamente isso que aconteceu com Ló. Quando o

encontramos em Gênesis 19:1, vemos que estava assentado nos portões de Sodoma.

Abraão, pelo contrário, agia do modo destacado pelo segundo versículo do Salmo um. Por isso os resultados de sua vida são demonstrados de maneira bastante detalhada no versículo três. Ainda que Ló pareça ter sido um verdadeiro crente, ainda que ao mesmo tempo estivesse sendo carnal, sua vida na terra está descrita de maneira bastante clara no versículo quatro. O resto do salmo com certeza descreve a vida dos habitantes de Sodoma que não se arrependeram. Leia o Salmo 1:1-6 e veja o padrão estabelecido:

1. Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

2. Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na súa lei medita de dia e de noite.

3. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem nãò murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido.

4. Os ímpios não são assim; são, porém, como a palha que o vento dispersa.

5. Por isso, os perversos não prevalecerão no juízo, nem os pecadores, na congregação dos justos.

6. Pois o Senhor conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá.

Estabeleça um objetivo

Estabeleça um alvo hoje que irá levá-lo em direção à espiritualidade e não à carnalidade. Seja específico. Qual a sua maior tentação? Qual a sua maior fraqueza? Estabelecer um alvo específico irá ajudá-lo a programar sua mente para ter vitória em Jesus Cristo, e não fracasso.

Memorize o seguinte texto bíblico

Procure memorizar esta passagem das Escrituras para ajudá-lo a alcançar o seu objetivo:

Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco.

‘ Filipenses 4:8,9
Crescendo juntos

Estas perguntas destinam-se a discussão em pequenos grupos de estudo:

1. Por que pode o homem cristão de hoje se identificar com a experiência de Ló?

2. Você gostaria de compartilhar com o grupo uma experiência de sua vida que tem paralelo com o que Ló passou, ou que se assemelha a ela em algum aspecto?

3. Como você aprendeu a andar no Espírito e não satisfazer a “concupiscência da carne” (G1 5:16)?

4. Quais os seus pedidos pessoais de oração?

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *