ORGULHO E VERGONHA – Ele Escolheu Você

A VOLTA PARA CASA – Ele Escolheu Você
20/12/2015
DECISÕES – Ele Escolheu Você
22/12/2015

ORGULHO E VERGONHA – Ele Escolheu Você

amigo

Orgulho e vergonha. Você nunca teria imaginado que o orgulho e a vergonha são irmãos. Parecem tão diferentes. O orgulho lhe faz estufar o peito. A vergonha lhe faz agachar a cabeça. O orgulho alardeia. A vergonha faz ocultar-se. O orgulho procura ser visto. A vergonha cuida de ser evitada.

Mas não se deixe enganar, as emoções têm o mesmo parentesco e causam o mesmo impacto: o mantêm afastado de seu Pai.

O orgulho diz: «Você é muito bom para Ele».

A vergonha diz: «Você é muito mau para Ele».

O orgulho o afasta.

A vergonha o mantém afastado.

Se o orgulho estiver presente antes de uma queda, a vergonha é o que vai impedi-lo de se levantar depois.

*

Se Madeline sabia fazer algo, era dançar. Seu pai lhe tinha ensinado.

Agora, homens da idade de seu pai a observavam. Ela não prestava atenção nesse detalhe, simplesmente não pensava nisso. Simplesmente fazia seu trabalho e ganhava seus dólares.

E talvez nunca teria pensado nisso, se não fosse pelas cartas que o primo lhe levava. Não uma, nem duas, mas sim uma caixa cheia. Todas dirigidas a ela. Todas de seu pai.

«Seu ex-namorado deve ter delatado você. Chegam duas ou três destas por semana», queixava-se o primo. «Mande seu novo endereço». Ah, mas ela não podia fazer isso. Seria encontrada.

Não se atrevia a abrir as cartas. Sabia o que diziam: que voltasse para casa. Mas se soubesse o que ela estava fazendo não lhe escreveria.

Pareceu-lhe menos doloroso não as ler. De maneira que não o fez. Não nessa semana nem na seguinte quando o primo lhe trouxe mais, e nem na seguinte, quando chegou de novo. Guardou-as no guarda-roupa do clube onde dançava, organizadas de acordo com a data do carimbo do correio. Passava seus dedos por cada uma, mas não se atrevia a abri-las.

Na maior parte do tempo Madeline conseguia controlar suas emoções. Os pensamentos do lar e os pensamentos de sua vergonha se fundiam no mesmo cantinho do seu coração. Mas havia ocasiões em que os pensamentos eram muito fortes para conseguir resistir a eles.

Como aquela vez quando viu um vestido na vitrine de uma loja. Um vestido da mesma cor que o seu pai lhe tinha comprado. Um vestido que tinha achado simples demais para ela. Tinha-o vestido contrariada, e parado em frente ao espelho. «Caramba, está tão alta como eu», seu pai havia lhe dito. E quando ele a tocou, ela se enrijeceu.

Ao ver seu cansado rosto refletido na vitrine da loja, Madeline compreendeu que teria dado mil roupas somente para sentir seus braços outra vez. Saiu da loja e decidiu não passar nunca mais por ali.

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *