O PERFIL DO CONSELHEIRO – Aconselhamento de Casais

Um Adeus a Russel P. Shedd
26/11/2016
SALMO 71 – Esboços de Salmos
27/11/2016

O PERFIL DO CONSELHEIRO – Aconselhamento de Casais

Nenhum outro modelo se equipara a Jesus quando se trata de “aconse­lhamento”. Sua personalidade, Seu conhecimento e Sua habilidade capacitaram-nO eficazmente para assistir às pessoas que precisam de ajuda. Jesus, como Mestre da sensibilidade, fez uso de técnicas de aconselhamento, de acordo com a situação, com a natureza do aconselhado e com o problema específico. Em algumas situações, Ele ouvia cuidadosamente as pessoas, sem dar muita orientação às claras, mas, em outras ocasiões, Ele ensinava incisivamente. O Mestre sempre encorajava e apoiava, embora também confrontasse e desafiasse. Como conselheiro, Ele era absolutamente honesto, profundamente compassivo, altamente sensível e espiritualmente amadurecido. Quais devem ser as qualidades que definem o perfil de um conselheiro eficaz?

 

— 1 —

Amor

 

Gordon Allport, professor da Universidade de Harvard, escreveu: “O amor é incomparavelmente o maior agente psicoterapêutico… algo que a psiquiatria profissional não pode criar por si mesma, nem liberar”. Eis a razão porquê muitas vezes o conselheiro secular não pode suprir o amor necessário ao aconselhado e é incapaz de receber amor que este quer lhe dar.

A igreja de Cristo oferece uma abordagem para a vida, baseada inteiramente no amor. Portanto, pode ajudar onde o aconselhamento secular fracassa. Aqui está o desafio que deve levar o conselheiro cristão a refletir: “Se o meio eficaz de ajudar é amar – o mesmo deve pedir a Deus para amar as pessoas necessitadas, concedendo-lhes mais amor.

 

— 2 —

Preocupação sincera, e sem

excesso, pelo aconselhado.

 

Ao tratar com a mulher samaritana, Jesus não aprovou seu comportamento pecaminoso, porém respeitou e a tratou com uma pessoa de valor (Jo. 4). Essa atitude de interesse e cordialidade deve ser demonstrada pelo conselheiro, para que seu trabalho seja eficaz.

 

 

— 3 —

Honestidade sem

confrontação impiedosa

 

O conselheiro deve ser alguém cuja sinceridade seja uma das marcas do seu caráter. Alguém que evite o fingimento e que nunca pense ou sinta uma coisa e diga outra, completamente diferente.

 

— 4 —

Empatia (Sensibilidade)

 

Se o conselheiro não for sensível, não haverá compreensão empática com os problemas do aconselhado. A eficácia do trabalho de aconselhamento de casal depende da capacidade do conselheiro de sentir-com” o aconselhado.

 

—  5 —

Domínio próprio

 

Uma pessoa indisciplinada emocionalmente não pode fazer o trabalho de aconselhamento. Isto porque poderá, com facilidade, envolver-se com o aconselhado, de forma prejudicial. O conselheiro deve ser sensível aos problemas do(a) aconselhado(a), mas jamais se envolver emocionalmente.

Estas são apenas algumas de tantas outras qualidades que devem definir o perfil de um conselheiro capaz. A liderança da igreja deve ser muito criteriosa para incluir uma pessoa na equipe de conselheiros que trabalham com casais.

 

“Andar em círculos não é a mesma

coisa que fazer progresso. Há uma

enorme diferença entre atividade e

progresso”

(J. Blanchard)

 

 “O amor de Deus pelos pecadores é

maravilhoso, mas a paciência com os

santos é um ministério ainda mais

profundo”

(Henry Drummond)

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *