Judá e Tamar ( Parte XVIII )

Catolicismo – A Diferença que Faz Diferença
24/08/2014
Oração ou medicina? Missionário infectado por ebola está curado
25/08/2014

A identidade e a imoralidade Acredito que o principal elemento da personalidade de um indivíduo é a sua identidade. A identidade é o conhecimento da verdade divina acerca de si mesmo nas diversas áreas e condições da existência. Na mesma proporção que perdemos contato com nossa identidade vamos também fracassar em desempenhar nossas habilidades bem como aleijar nosso destino.

Saber quem somos espiritualmente e vocacionalmente nos lança numa dinâmica de fé e obras que extrapola as impossibilidades. O conhecimento de Deus e a revelação da nossa identidade Você só irá saber quem você é de fato, descobrindo quem Deus é. São revelações simultâneas, paralelas. No capítulo 16 do evangelho de Mateus, depois de Jesus ter enviado os discípulos para um tempo prático de missões, eles retornam maravilhados com as coisas que haviam acontecido e Jesus pega aquele momento para se revelar mais profundamente a eles.

Primeiramente ele pergunta: “Quem dizem os homens ser o Filho do homem? Responderam eles: Uns dizem que é João, o Batista; outros, Elias; outros, Jeremias, ou algum dos profetas” (Mt 16:13,14). Então vem a segunda pergunta: “Mas vós, perguntou-lhes Jesus, quem dizeis que eu sou? Respondeu-lhe Simão Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo’ (Mt 16:15,16). Pedro surpreendentemente tem uma revelação do Pai acerca de quem Jesus era. Aquilo realmente deixa Jesus empolgado: “Disse-lhe Jesus: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelou, mas meu Pai, que está nos céus (vs 17).”

Assim como Pedro teve uma revelação do Pai sobre Jesus, Jesus devolve para Pedro uma revelação sobre ele dizendo: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificareí a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”(vs 18). Ali Pedro entendeu pela própria boca de Jesus que era uma pedra viva no fundamento da igreja apostólica (I Pe 2:5). Portanto, sobre o fundamento da revelação do Pai que Pedro teve sobre quem Jesus era, ou seja, sobre esta rocha, é que a igreja seria edificada e Pedro desempenharia um significativo papel apostólico.

Cada revelação acerca de Deus é correspondida com uma revelação acerca de nós mesmos. Assim a igreja que triunfa sobre as portas do inferno é edificada. Um dos fatores mais importantes acerca da identidade de qualquer indivíduo é que ela tem origem em Deus. Ele é o supremo criador não criado. Para descobrir nossa identidade precisamos entrar na empolgante jornada de retornar ao coração de Deus, o autor da nossa vida e existência.

Qual seria, portanto, este caminho de volta às nossas origens? Jesus declarou: Eu sou o caminho, a verdade e a vida e ninguém vêm ao Pai senão por mim. O caminho que quebra o jugo da orfandade espiritual, da ignorância acerca da nossa origem, propósito e destino é uma pessoa: Jesus, que nos proporciona não só revelação, mas acesso à paternidade do Criador. Um dos sintomas mais fortes da crise de identidade é o sentimento de orfandade em relação a pais verdadeiros, a pais espirituais e a Deus, nosso Pai celestial. Desta forma não só perdemos contato com nossa verdadeira identidade em Deus, como também nossa herança é saqueada.
Traumatizando a identidade Obviamente que o diabo tem um interesse básico que consiste em traumatizara identidade das pessoas, pois a partir disto, as pessoas começam não mais que andar em círculos no que tange ao propósito maior da vida. Sua maior arma para isto é a imoralidade. A imoralidade é um dos pecados que mais afetam a identidade de uma pessoa. Ela tem o poder de destruir a alma: “O que adultera com uma mulher é falto de entendimento; destrói a sua alma o que tal faz. Achará castigo e vilipendio, e o seu opróbrio nunca apagará”. (Pv 6:32,33)
A imoralidade acarreta um estado perpétuo de vergonha espiritual que esmaga a consciência, destrói a autoridade, corrompe a influência. O que está em pauta é o processo sinistro de perverter a personalidade. Qualificamos de sinistro porque ao mesmo tempo em que é destrutivo é também atrativo e acumulativo. Para entendermos melhor o poder de perversão que a imoralidade imprime na identidade de um indivíduo, basta considerar a situação específica do homossexualismo.

Certa vez, aconselhando um ex-homossexual, recém-convertido ao Senhor Jesus, me dei conta da confusão e dor com a qual estas pessoas têm que conviver, quando tentando explicar-me seu conflito, resumiu dizendo que da cintura para cima se sentia homem, enquanto que da cintura para baixo se sentia mulher. Parecia haver um nó na sua cabeça. Acredito que este é um dos piores níveis de confusão que alguém pode atingir, de não saber nem mais a que sexo pertence. Esta é a primeira pergunta da vida de uma pessoa. Antes mesmo do nome as pessoas perguntam: Qual é o sexo?

Confusões acerca de coisas tão básicas da vida comprometem fatalmente o destino e qualquer possibilidade de realização. Pessoas com este tipo de problema, antes de tudo, precisam ser compreendidas e conduzidas a um verdadeiro referencial de amor, aceitação e paternidade.

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *