Conclusão da Primeira Parte – Batismo e Plenitude do ES

PAPAI NOEL – ESPECIAL DE NATAL
21/12/2016
Gênesis 16 – Introdutórios a Genesis
22/12/2016

Conclusão da Primeira Parte – Batismo e Plenitude do ES

Portanto, a evidência que me esforcei em reunir do Novo Testamento em geral, do sermão de Pedro em Atos 2 e do ensino de Paulo em 1 Cor. 12:13 em particular, indica que o “batismo” do Espírito é idêntico ao “dom” do Espírito, que é uma das bênçãos diferentes da nova aliança e, também, uma bênção universal para os membros da aliança, cor ser uma bênção inicial. Ela é uma parte e um quinhão da nova época. O Senhor Jesus, mediador da nova aliança e fiador das suas bênçãos, concede o perdão dos pecados a o dom do Espírito a todos os que fazem esta aliança. O batismo de água, por sua vez, é o símbolo e o selo do batismo com o Espírito, assim como o é do perdão dos pecados. O batismo de água é o ritual cristão de iniciação porque o batismo com o Espírito é a experiência cristã de iniciação. Assim, pois, sejam quais forem as experiências posteriores à conversão (das quais falaremos mais adiante), “batismo com o Espírito” não pode ser expressão correta para elas.

O objetivo de Deus é que todas as pessoas recebam as bênçãos da nova aliança, como o perdão dos pecados e o dom do Espírito, e depois passem pelo batismo de água, como símbolo e selo destas bênçãos. Depois, elas devem continuar sendo cheias do Espírito, manifestando esta plenitude com santidade de vida e ousadia de testemunho. A Carta aos Hebreus descreve todos os cristãos como “participantes do Espírito Santo”, que “provaram…os poderes do mundo vindouro” (6:4, 5). Toda a vida cristã, de acordo com o Novo Testamento, é vida no Espírito que vem após o nascimento no Espírito.

Além disto, a ênfase indiscutível das cartas no Novo Testamento não é no sentido de impor aos leitores cristãos alguma bênção totalmente nova e diferente, mas sim de lembrar-nos do que somos pela graça, conscientizar-nos disto, e incentivar-nos a viver através disto. Este é um fato muito importante, que não é entendido suficientemente. Parece que o horizonte de alguns cristãos está limitado a uma segunda experiência, subseqüente, que chamam de “batismo no Espírito”.

Ao conversar com eles, se eles crêem que você já o experimentou, este é o seu ponto de referência no passado, e o principal elo de união entre vocês. Se, por outro lado, eles crêem que você ainda não o experimentou, então é isto que eles lhe desejam, e é o único ponto de referência no futuro. Então, quer estejam olhando para o passado, quer para o futuro, é o “batismo do Espírito”, como segunda experiência, que preenche o seu horizonte. Todavia, o que eu tenho a dizer, realmente sem nenhum receio de ser contrariado, é que esta nunca foi a perspectiva dos escritores do Novo Testamento. Estes, quando olham para o passado, estão relembrando o grande feito de Deus quando ele nos pôs em Cristo, nos justificou, redimiu, regenerou e recriou. É para isto que eles apelam constantemente. E quando olham para o futuro, estão apontando para o crescimento em maturidade dos seus leitores e, adiante disto, para a perfeição que espera o surgimento glorioso do Salvador.

Por exemplo: quando o apóstolo João trata, em sua primeira carta, da necessidade de santidade, com que ele a relaciona? Não com um “batismo do Espírito” especial, que seus leitores devem ter tido ou deveriam ter, mas com seu primeiro nascimento de Deus e com sua obrigação de permanecer em Cristo. “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; … não pode viver pecando, porque é nascido de Deus” (1 João 3:9). E: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado” (5:18).

Qual é a outra expectativa dos apóstolos? Eles esperam de nós uma conduta ética, muitas vezes bastante detalhada. Eles apelam a nós para que vivamos na realidade concreta da vida diária o que Deus já fez por nós em Cristo. Eles nos ordenam que cresçamos na fé, no amor, no conhecimento e na santidade. Eles nos advertem do julgamento e nos desafiam com a esperança da volta do Senhor. Enquanto isto, eles nos pedem que não entristeçamos o Espírito, mas que andemos me Espírito e que continuemos sendo cheios do Espírito, como veremos no próximo capítulo. Porém nunca, nenhuma vez, eles nos exortam e instruem a “sermos batizados com o Espírito”. Só pode haver uma única explicação para isto: eles estão escrevendo para cristãos, e os cristãos já foram balizados com o Espírito Santo.

Não se trata de um simples debate sobre palavras, mas sobre doutrina. A verdade fundamental destacada é que, unindo-nos a Cristo, Deus nos deu tudo. Pela indescritível graça de Deus, já fomos “abençoados com toda sorte de bênção espiritual … em Cristo” (Efés. 1:3), e é nossa responsabilidade apropriarmo-nos constante e progressivamente destas bênçãos, que já são nossas em Cristo.

De maneira semelhante, já que em Cristo “habita corporalmente toda a plenitude da Divindade” (Col. 2:9) nós “recebemos a vida completa, em união com ele” (2:10, BLH). Se Deus nos deu o Senhor Jesus Cristo era sua plenitude, e se Cristo já mora em nós através do seu Espírito, o que mais Deus poderia acrescentar? A própria sugestão de que ainda há um dom adicional a receber não deprecia a plenitude e a suficiência de Jesus? Crescer em Cristo, sim! Acréscimos além de Cristo, jamais! Nós nascemos de Deus, somos seus filhos e herdeiros, morremos e ressuscitamos com Cristo, nossos corpos são o templo do Espírito Santo (1 Cor. 6:19), e esta presença do Espírito em nós é a garantia, na verdade até uma antecipação da nossa herança eterna no céu. Portanto, os escritores do Novo Testamento não se cansam de lembrar-nos dos nossos privilégios em Cristo, exortando-nos a levar uma vida que seja válida e apropriada. Somos incentivados a ser o que deveríamos ser (puros como ele é puro) por causa do que já somos em Cristo (filhos de Deus) e por causa do que seremos quando ele voltar (como ele). Veja 1 João 3:1-3.

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *