Catolicismo – Epílogo

Teologia Sistemática – Bíblia, Autoridade e Inerrância – Uma Breve Declaração
16/10/2014
A Aliança No Casamento
17/10/2014

Catolicismo – Epílogo

Não existe um grupinho de homens eleito por Deus para pensar por nós. Deus deu a cada um de nós uma cabeça, exatamente para que todos raciocinemos. Por conseguinte, não deixemos que a cúpula da Igreja Católica nos manipule a bel-prazer. Ousemos questioná-la. Vimos que os apóstolos Pedro e Paulo eram argüidos pelos cristãos primitivos (Atos 11.2-3,11; 17.11); que o apóstolo Paulo repreendeu o apóstolo Pedro (Gálatas 2.11) e que o apóstolo Tiago confessou que ele tropeçava em muitas coisas (Tiago 3.2). Isto prova que a infalibilidade papal não tinha lugar na Igreja Primitiva, sendo apenas a arma que restou a esses tiranos, para nos manter presos às barras de suas batinas. Porém, agora ficou fácil desvencilharmos de suas garras, pois já não podem mais (pelo menos por enquanto) nos queimar vivos nas fogueiras da “Santa” Inquisição, tendo que se contentar a ameaçar-nos com o fogo do Inferno. Para esse lugar, porém, não iremos, se trocarmos o Catolicismo por Cristo.

Vimos que os católicos tentam provar de tudo quanto é jeito que não são idólatras, alegando que não cultuam aos deuses, e sim, aos anjos, aos santos e a Maria. Porém, desde quando a mera mudança do nome de um produto altera a sua essência? O culto aos santos inspira-se no paganismo, logo, é idolatria disfarçada. A cruz, Maria, os santos, os anjos, a hóstia, o Papa, as relíquias, etc., são adorados no Catolicismo. Vimos no capítulo VI deste livro que os padres dizem que não Adoram a Maria e aos santos, mas que tão-somente os veneram, já que aos santos e a Maria eles tributam um culto menor, respectivamente chamados de Dulia e Hiperdulia, reservando o culto latrêutico apenas a Deus. Porém, vimos também que eles estão excedendo nessa “veneração”, e “culto menor”, pois não podem citar um único exemplo bíblico desse tipo de culto inferior. Rogar aos mortos que intercedam por nós é atitude estranha ao Cristianismo puro.

Dissemos que nós, os evangélicos, podemos provar que não somos radicais, mas, sim, tolerantes, em obediência a Romanos 14. E realmente podemos provar isso. Por exemplo, há evangélicos que crêem piamente que o batismo deve ser somente por imersão, mas há os que defendem o batismo por aspersão. Outros crêem que se deve batizar recém-nascidos, mas outros não concordam. Há evangélicos que acham que a mulher deve cobrir-se com um véu durante o culto, mas há outros que discordam disso. Porém, estas falhas e outras mais, são toleráveis; e, por isso, reciprocamente nos amamos, respeitamos e reconhecemos. Somos muitos grupos distintos e diferentes, mas considerando que: a) Cultuamos só a Deus; b) temos a Bíblia como nossa única regra de fé e prática; c) cremos que o sangue de Cristo é a única fonte purificadora; e) e cremos que Cristo é o único e suficiente Salvador, então somos um em Cristo.

Não estamos exigindo perfeição da Igreja Católica, já que nós, os evangélicos, também não somos perfeitos. Queremos apenas que os católicos façam o seguinte: 1) troquem os ídolos (“santos”, “anjos”, “hóstias”, “relíquias” “Maria”, “papas”, etc.) pelo Deus vivo; 2) troquem o purgatório pelo sangue de Jesus; 3) troquem a falcatrua chamada Tradição, pela Bíblia; 4) troquem a sujeição cega ao autoritarismo dos papas, pelo senhorio de Cristo. Se fizerem isso, daremos as mãos e caminharemos juntos para o Céu. Todavia, enquanto isso não acontecer, é necessário que mantenhamos distância (2 Timóteo 3.5). Não nos referimos à distância física, e sim, a não comungar da mesma crença, ou fazer vista grossa a estas divergências, julgando-as inofensivas, por pensar que as mesmas não interferem na salvação.

Não crer que só a Bíblia é a Palavra de Deus; crer que o Papa é nfalível e, que portanto, deve ser obedecido cegamente; crer na salvação pelas obras mortas recomendadas pela Igreja Católica; crer que o batismo possui valor salvífico, a ponto de duvidar da salvação até do nenenzinho que morreu sem ser batizado, etc., são erros intoleráveis. Nós os toleramos no sentido de permitirmos que pensem (se é que pensam) diferente de nós, mas não os toleramos ao ponto de considerarmos como membros da Igreja de Cristo, os que pregam essas heresias.

Há, sem dúvida, católicos sinceros, tanto entre os leigos, quanto entre os integrantes do clero. Destes, muitos já perderam a capacidade de raciocinar. Se não é esse o seu caso, certamente já entendeu que este livro não é uma crítica gratuita, oriunda de um irresponsável. Este autor é pastor evangélico e redige estas linhas porque crê piamente que fazê-lo constitui o seu dever. Estamos apenas usando o cajado que o Senhor nos confiou, pondo-nos no Ministério. Devemos pastorear as ovelhas do Amo, tanto as que já estão no aprisco, quanto as que ainda se encontram perdidas no deserto das falsas religiões e seitas (João 10.16). Se você é uma dessas ovelhinhas, saiba que o Pastor e os pastores, ansiosos lhe procuramos. Ouça a voz do bom Pastor! Ele o chama com muito amor! Saia das garras dos mercenários! Venha para os pastos verdejantes! Venha às águas tranqüilas! Venha receber a orientação do “cajado” e a proteção da “vara”, ambos do Pastor (Salmo 23.2). Essa ovelhinha a quem nos dirigimos pode ser um padre, um papa, um arcebispo, um bispo, um leigo, uma freira. … Se você é ovelhinha, venha para o redil! Aqui está o bom Pastor! Não tenha medo! O Pastor cuidará de você!

Aos padres , bispos, cardeais, freiras…que desejam abandonar a Igreja Católica, mas temem ser rejeitados pela sociedade, e, inclusive, pelos seus familiares, informamos que se entrarem em contato conosco, receberão a ajuda de que necessitam. Temos abrigo para vocês, onde poderão morar até o tempo necessário. Nós amamos vocês! Sabemos que vocês vivem uma situação melindrosa, e que só Deus pode arrancá-los daí! Ficamos sabendo disso através dos ex-colegas de vocês que já passaram para o lado de cá e nos contaram tudo. Orem ao Senhor! Contem conosco! Que Deus os abençoe e os arranque dessa arapuca de Satanás, como arrancou Israel do Egito! Amém.

Ninguém pode mandar na sua consciência! Portanto, se a Igreja Católica é ou não a única Igreja de Cristo, imprescindível para a salvação; se o Ministro do Evangelho (padre [?] ou pastor) pode ou não se casar; se o recém-nascido que morreu sem ser batizado está salvo ou perdido; se Maria teve ou não outros filhos, frutos do seu relacionamento com seu marido José; se ela e outros vultos do Cristianismo que morreram estão ou não em condição de ouvir nossas rezas; se ela foi ou não transladada em corpo e alma ao Céu; se o purgatório existe ou não; se os “sete sacramentos” do Catolicismo são ou não necessários para a salvação; se temos ou não que confessar nossos pecados pelo menos uma vez por ano ao pároco… não é com esses homens usurpadores do trono de Cristo que vamos aprender isso. Libertemo-nos! Sacudamos de nós seus jugos, e acheguemo-nos à Bíblia com fé, amor, humildade, oração e submissão a Deus, e deixemos que ela nos instrua! Não se escravize! Dialogue com todos, mas não aceite o cabresto do vigário ou de quem quer que seja. Que Deus o ajude. Esta é a nossa oração por você!

Nem tudo que a Igreja Católica prega é errado, e nem tudo que os evangélicos pregam é certo. O que se discute neste livro não é quem é o certo, nem tampouco quem é o errado, mas sim, que a Igreja Católica é um sistema idolátrico que não prega o Evangelho. Você precisa pertencer ao Cristianismo, e o Catolicismo não o é.

Algumas igrejas evangélicas são, sim, mal doutrinadas. Não é este, porém, o caso da Igreja Católica. A Igreja Católica não é uma igreja cristã mal doutrinada, necessitada apenas de maiores informações. Não! A Igreja Católica simplesmente não é uma igreja cristã, mas uma instituição pagã, disfarçada. Sim, a Igreja Católica não é uma igreja errada, não é uma igreja ccerta, nem é uma igreja mais ou menos. Ela simplesmente não é Igreja, na concepção teológica deste termo.

Caro leitor, dê-nos o prazer de encontrá-lo lá no Céu! Aceite Cristo como seu único e todo suficiente Salvador e Senhor pessoal. Após fazer isso, una-se, sugerimos nós, a uma das muitas igrejas realmente cristãs, não para ser salvo, mas para comungar com os que, como você, também têm Cristo em seus corações.

Não sabemos se você vai se unir a um dos muitos grupos de cristãos que já existem, ou se vai fundar sua própria associação de cristãos. Estas não são nossas maiores preocupações, visto que sua maior necessidade não é se unir a uma igreja, tampouco fundar sua denominação; antes você precisa de Jesus mais que tudo.

Talvez não tenhamos a felicidade de nos conhecermos nesta Terra, mas se você se der por avisado e se refugiar unicamente em Cristo, nós nos encontraremos lá no Céu. Até lá, na Paz do Senhor.

 

 Notas

 

1.Jornal O Dia, 27/10/96.

2.Maria Por Que Choras? Hebert, J. Albert, 3a edição, Edições – Louva-a-Deus, 1991, páginas 1,3,4,34,36,37.

3.As provas documentais estão em poder do autor. Trata-se de um panfleto distribuído pelas igrejas católicas de todo o Brasil, no qual está exarado o aval do Vaticano.

  1. Maria, Por Que Choras? Hebert J. Albert, 3ª edição, Edições Louva-a-Deus, página 1.

5.Catholicism and Fundamentalism, 103, citado em Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano, de Weldon e Ankerberg, John, página 21, Obra Missionária Chamada da Meia Noite, 1993.

6.Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano, página 7, acima citado, com mais detalhes, no item 5.

  1. A Bíblia Através dos Séculos, página 63, Gilberto, Antônio, 1987, 2ª edição, CPAD – Casa Publicadora das Assembléias de Deus no Brasil.
  2. Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano, página 56, 1993, acima citado com mais detalhes no item 5.
  3. Revista Chamada da Meia Noite, ano 29, número 1, Janeiro de 1998, citado pelo apologista Dave Hunt.
  4. Defesa da Fé (revista), órgão oficial do ICP – Instituto Cristão de Pesquisas, setembro/outubro de 1998, página 28.
  5. Ibidem.
  6. Prova documental em poder do autor. Trata-se de um panfleto que nos foi presenteado por um padre.
  7. Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano, página 67, acima citado.
  8. Seitas e Heresias, Um Sinal dos Tempos, Oliveira Raimundo F. CPAD – Casa Publicadora das Assembléias de Deus no Brasil.
  9. Os Fatos sobre o Catolicismo Romano, página 67, acima citado com mais detalhes no item 5.
  10. Por Que Estes Padres Católicos Deixaram a Batina? Vale, Agrício do, páginas 90 – 92, A . D. Santos Editora.

17.O Dogma da Imaculada Conceição de Maria, CPR – Centro de Pesquisas Religiosas – Teresópolis – RJ. Tel/fax: (0**21) 643.2325.

18.Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia, Norman Geisler e Thomas Howe- Editora Mundo Cristão, página 355, 1ª edição brasileira, 1999.

  1. Nota de rodapé, constante do Novo Testamento editada pela Pia Sociedade de São Paulo em 1950.
  2. Citado em Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano, página 25, citado acima no item 5, com maiores detalhes.
  3. Prova documental em poder do autor. Trata-se de um documento emitido pela PUC – Universidade católica.
  4. Revista Marie Claire, dezembro de 1.996, páginas 53, 54, 56, 58 e 60.
  5. Ibidem.
  6. Folha Universal, 18-24 / 04/ 99.
  7. Ibidem.
  8. História da Igreja Cristã, página 105, Lyman Hurlbut, Jesse, Editora Vida, 1995.
  9. O Papa e o Concílio, por Janus, traduzido e prefaciado por Rui Barbosa, 2ª edição, 1930, editado pela LIVRARIA ACADÊMICA SARAIVA & Cia. – Editores, São Paulo, página 14.

28.Por Que Estes Padres Católicos Romanos Deixaram a Batina?, página 18, acima citado, no item 16, com maiores informações.

  1. Ibidem, páginas 158,159.
  2. Folha Universal, 08 / 12/ 1996.
  3. Ibidem, 16/ 02/ 1.997.
  4. Jornal O Dia, 14/ 10/ 91.

 

Bibliografia

 

  1. História Geral – José Dantas – Ed. Moderna, 1ª edição.
  2. História Geral – Raymundo Campos – Atual Editora.
  3. A Bíblia Através dos Séculos – Antônio Gilberto – CPAD.
  4. Novo Dicionário Aurélio – Ed. Nova Fronteira.
  5. Dicionário Grego – Português e Português – Grego – Isidro Pereira, S. J. Livraria Apostolado da Imprensa, 7ª edição.
  6. Bíblia – várias versões, tanto católicas como protestantes.
  7. O Novo Testamento Grego Analítico – Barbara Friberg e Timothy Friberg –Edições Vida Nova.
  8. Enciclopédia Barsa.
  9. Dicionário Enciclopédico – Koogan/Houaiss – Editora Delta.
  10. Dicionário Hebraico – Português e Aramaico – Português – editado pelas Editoras Sinodal e Vozes – 4ª edição.
  11. Dicionário do Novo Testamento Grego – W. C. Taykor – JUERP – 9ª .edição.
  12. Roma Sempre a Mesma – Ex-padre Hipólito Campos – 1ª edição.
  13. Porque Deixamos a Batina .
  14. Pequena Enciclopédia Bíblica – Orlando S. Boyer – Editora Vida.
  15. 15. História Universal – Carl Grimberg – Europa América.
  16. Babilônia Ontem e Hoje – Abrãao de Almeida – CPAD.
  17. Vinte Razões Porque Não Sou Católico – Amilto Justus – Editor.
  18. Religiões, Seitas e Heresias – J. Cabral – Universal Produções – Indústria e Comércio.
  19. Seitas e Heresias – Um Sinal dos Tempos – Oliveira, Raimundo F. de– CPAD.
  20. 20. Maria, Por Que Choras? – Edições Louva a Deus, 3ª Edição, 1991
  21. Alberto – Alberto R. Rivera – Chick Publicaations – Los Angeles – USA.

As obras abaixo relacionadas são, não havendo outra indicação, da autoria do ex-padre Anibal Pereira dos Reis, editadas pela editora Caminhos de Damasco.

 

  1. Milagres e Curas Divinas.
  2. Jesus e o Divórcio.
  3. Crentes, Leiam a Bíblia.
  4. A Virgem Maria.
  5. A Missa.
  6. Essas Bíblias Católicas…
  7. A Besta Apocalíptica.
  8. 666.
  9. A Mãe das Prostituições.
  10. Torturas e Torturados.
  11. Senhora Aparecida – Um Conto do Vigário.
  12. Senhora de Fátima – Outro Conto do Vigário.
  13. Pedro Nunca Foi Papa, Nem o Papa é Vigário de Cristo.
  14. Este Padre Escapou das Garras do Papa.
  15. Católicos Pentecostais?! Essa Não.
  16. História dos Hebreus I e II – Flávio Josefo – CPAD.
  17. Vida de Maria, Mãe de Jesus – Francisco Miguel William – Ed. Vozes Ltda.
  18. Ensinamento Doutrinário da Igreja Católica – Nova Enciclopédia Católica – Quentin de La Badoyere – Editora Renes..
  19. A Ilusão Mórmon – Lloyd C. McElveen.
  20. Anotações constantes das seguintes Bíblias de Estudo de versões católicas: Padre Matos Soares, da Edições Paulina; Novo Testamento traduzido pelo Monsenhor Vicente Zioni – Pia Sociedade de São Paulo; Padre Antônio Pereira de Figueiredo – Novo Brasil Editora.
  21. Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano, John Ankerberg e John Weldon – Editora Chamada da Meia Noite.
  22. Por Amor aos Católicos Romanos, Rick Jones, CPR – Centro de Pesquisas Religiosas.
  23. Catecismo da Igreja Católica, Editora Vozes, 1993.
  24. O Caminho da Vida – Moral Cristã, Padre Álvaro Negromonte, Livraria José Olympio Editora.
  25. Verdade e Vida (Catecismo Católico distribuído pela arquidiocese Militar de Brasília).
  26. O Papa e o Concílio, Janus, Livraria Acadêmica SARAIVA & CIA – EDITORES, 1930, 1ª. Edição – São Paulo.
  27. Defesa da Fé (revista, vários exemplares) órgão oficial do ICP – Instituto Cristão de Pesquisas.
  28. Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia – Norman Geisler e Thomas Howe, Editora Mundo Cristão, 1ª edição 1999.
  29. O Movimento Ecumênico À Luz das Santas Escrituras, Homero Dunca – 1ª edição em português, 1977 , Imprensa Batista Regular.
  30. O que é preciso saber sobre o BATISMO, D. Antônio de Miranda, 1988, Editora Santuário, Aparecida – SP.
  31. Vale, Agrício do. Por Que Estes Padres Católicos Deixaram a Batina, A. D. Santos Editora.
  32. Uma apostila elaborada pela Escola Pastoral Catequética — Vicariato Oeste — Arquidiocese do Rio de Janeiro — RJ.
  33. Protestantismo e Catolicismo, Padre Manoel Pinto dos Santos, edição particular,1916.
  34. Padre Vicente Wrosz. Respostas da Bíblia às Acusações dos “Crentes” Contra a Igreja Católica, Livraria Editora Pe. Reus, 8ª Edição, abril/2000.
  35. Brasil Cristão (revista, vários exemplares), órgão oficial dos católicos carismáticos.
  36. Será Mesmo Cristão o Catolicismo? Hugh P. Jeter, Editora Betel,2 Edição de 2000.
  37. Os Erros ou Males Principais dos Crentes ou Protestantes, editora O Lutador,7ª Edição,1957.

59 O Que Todos Devem Saber Sobre o Catolicismo, Press Abba, 1ª Edição, setembro/2000.

  1. Padre Pio, o Estigmatizado. Tradução de Maria Henriques Osvald, Editora Educação Nacional _Porto, edição de 1956, dados biográficos do padre Pio.
  2. Eusébio de Cesaréia. História Eclesiástica, CPAD, 2ª Edição/2000
  3. NICHOLS, Robert Hastings. História da Igreja Cristã, 11ªEdição/2000, Casa Editora Presbiteriana.
  4. Frei Battistini. A Igreja do Deus Vivo. Editora Vozes, 33ª Edição de 2001.
  5. Como Receber as Outras “Religiões” que Batem à Sua Porta. Padre Sérgio Jeremias de Souza, Editora Ave-Maria, 4ª edição de 1999.
  6. RALPH, WOODROW. Babilônia: a Religião dos Mistérios, Associação Evangelística.
  7. Série Apologética, Vol. I, ICP_Instituto Cristão de Pesquisas_, edição de 2002.
  8. J. Jacó Vieira, Em Defesa da Virgem Maria, produção independente.
  9. Cechinato, Luiz. Os Vinte Séculos de Caminhada da Igreja, 4ª edição, 2001, Editora Vozes.
  10. Mary Schultze, O Big Brother de Roma, produção independente, edição de 2003.
  11. José D. Goulart (Padre), A Vida de Jesus, Edições Paulinas e Pia Sociedade de São Paulo, 1966.
  12. Alberto Luiz Gambarini (Padre), Em Que Cremos doutrina católica e bíblica, Edições Loyola, 6ª edição, julho de 1997.
  13. Dom Edvaldo Gonçalves do Amaral (Arcebispo), Novo Catecismo da Igreja Católica, Edições Loyola, 10ª edição de outubro de 1997.
  14. Compêndio do Vaticano II, Editora Vozes, 29ª edição, 2000. Petrópolis_ RJ.
  15. BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico, Edições Loyola, 23 edião, abril de 2003, São Paulo.
  16. Mensageiro da Paz (jornal. Órgão oficial das Assembléias de Deus. Vários exemplares)
  17. Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, Edições Loyola, 1ª edião, 2005/ São Paulo
  18. Chantepie de la Saussaye. História das Religiões, Editorial Inquérito, Ltda. Lisboa/Portugal, 1940. Tradução de Lobo Vilela.
  19. LOPES, Hernandes Dias. O Papado e o Dogma de Maria. São Paulo. Hagnos, 1ª edição, 2005.
  20. COSTA, Airton Evangelista da. A Verdade Sobre Maria. Curitiba/PR – A. D. Santos Editora. 2004.
  21. PRADA, Francisco. Novenário. São Paulo: AM edições. 3 ed., 1996.
  22. FRANCA, Leonel. Noções de História da Filosofia. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 21 ed. 1973.
  23. BETTENCOURT, Estêvão. Católicos Perguntam. Santo André. O Mensageiro de Santo Antônio. 7 ed. 2004.
  24. BETTENCOURT, Estêvão. Crenças, religiões, igrejas & seitas: quem são? Santo André: O Mensageiro de Santo Antônio, 2003.
  25. O Globo (jornal).
  26. Desafio das Seitas (jornal).
  27. ICP Editora. Bíblia Apologética. São Paulo: ICP Editora. 1 ed. 2000.
Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *