Bases Para um Ministério Vivo – Vida Cristocêntrica

Bases Para um Ministério Vivo – Oração E Conhecimento Da Palavra De Deus
12/06/2014
Bases Para um Ministério Vivo – Dedicação Total
14/06/2014

…Para dar ao seu povo conhecimento da salvação, no redimi-lo dos seus pecados (Lucas 1.77).

João Batista foi homem notável, e seu tema foi mais notável ainda. Ele pregava a respeito de Jesus, e este era o centro da sua vida e Senhor do seu coração. João amava profundamente a Jesus.

Vejamos o testemunho de João Batista a respeito de Jesus: Jesus é aquele que tem o primeiro lugar (João 3.15); o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (João 1.29), João

Batista chama a atenção dos homens para verem a Jesus, o Cristo de Deus; Jesus é aquele que batiza com o Espírito Santo (João 1.33); Cristo é o enviado Filho de Deus (João 1.34); é aquele que produz a verdadeira alegria, e João a tinha experimentado (João 3.29); aquele que está acima de todos (João 3.31); aquele que tem o controle de tudo (João 3.35); aquele que faz vir a vida e paz, a única alternativa de salvação eterna e cura (João 3.36); aquele que vai colher o trigo (o seu povo) e queimar a palha (aqueles que rejeitaram o seu amor) no fogo inextinguível (Mateus 3.12).

João se regozija em anunciar a Jesus como aquele a quem ele mesmo viu e reconheceu. João levou os seus próprios seguidores a Jesus. Os discípulos de João ouviram-no falar, e puseram-se a seguir o Senhor (João 1.37).

João Batista tinha humildade para induzir seus seguidores a deixá-lo, a fim de seguirem a Jesus.

Nossa pregação deve fazer com que os homens possam ir além de nós mesmos — para Cristo. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor, e a nós mesmos como vossos servos por amor de Jesus. (2 Coríntios 4.5)

Quando João recebeu notícias de que todos estavam indo ao encontro de Jesus para serem batizados, e que ele estava perdendo muitos discípulos, respondeu: convém que ele cresça e que eu diminua (João 3.30).

João tinha a graça de Deus para ser assim; ele não era um competidor, e, sim, um colaborador na obra de Deus; ele reconheceu que seu minis¬tério tinha chegado ao fim, ou seja, Deus cumpriu em sua vida o seu plano maravilhoso de ser o precursor de seu Filho unigênito.

Quantos, hoje, são competidores e não colaboradores, porque lhes falta uma vida cristocêntrica que os capacite a ter uma visão global do reino de Deus.

João Batista também era manso e humilde de coração como o Senhor Jesus, e essa foi a glória dele. Deus realmente usa pessoas sobre as quais Ele tem liberdade de total controle, ou seja, uma vida cristocêntrica (parecida com Cristo).

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *