Ajudas – Aproveite sua Bíblia

Igreja Evangélica reforma posto de saúde
24/04/2016
Força-os a Entrar – C.H.Spurgeon
24/04/2016

Ajudas – Aproveite sua Bíblia

O USO DA CONCORDÂNCIA BÍBLICA

Um conhecido professor de educação cristã dizia, com relação aos componentes chave para um bom estudo bíblico: “Você, sua Bíblia, o Espírito Santo, e uma concordância”.

Todos os cristãos concordariam com os primeiros três, mas por que a concordância é tão importante?

Uma concordância, como a maioria dos leitores da Bíblia sabe, c uma listagem em ordem alfabética de todas as palavras de um livro, contendo uma frase que traga a palavra em questão, geralmente abreviada com apenas a primeira letra da palavra. Atualmente há concordâncias para algumas versões da Bíblia em português, tais como a ARA, aACF, dentre outras.

PARA ENCONTRAR UM VERSÍCULO

O uso mais popular da concordância é encontrar um versículo que você ouviu ou aprendeu, mas não está conseguindo localizar. Suponha que você aprendeu na Escola Dominical um versículo que diz: “Há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem Vamos procurar este versículo na Concordância Bíblica Exaustiva de Gilmer, Jacobs & Vilela [a].

Pegue a palavra menos comum no versículo – obviamente não os pronomes, ou palavras como ‘entre’, ‘só’. A palavra menos usada é claramente mediador. Quando você encontrar mediador, você verificará que ela é usada sete vezes no Novo Testamento. A medida que você pesquisa os versículos, verá que o que está procurando é 1 Timóteo 2.5.

ESTUDOS DE PALAVRAS

O fato de que uma concordância lista todos os usos de uma palavra significativa na ordem bíblica é algo muito útil. Isto mostra quão importante uma palavra pode ser na Bíblia. Por exemplo, adorar, adorou, adoração e adorador(es) juntas aparecem aproximadamente 200 vezes.Claramente a adoração é um importante assunto para Aquele que inspirou as Sagradas Escrituras.

Outra dica para o significado de uma palavra bíblica é geralmente o que se chama de “lei da primeira referência”. Muitas vezes existe um início que ajuda na meditação, que é reparar onde uma palavra é usada pela primeira vez.

Adoração, por exemplo, ocorre pela primeira vez em Gênesis 22.5: “Eu e o rapaz iremos até lá, e havendo a”. [a palavra procurada geralmente traz apenas sua primeira letra, neste caso, adorado]. Preste bem atenção: Abraão e Isaque figuram representando o amor de Deus em Sua disposição de sacrificar Seu Filho. Este é o centro da adoração cristã: a cruz de Cristo, especialmente como foi celebrada na Ceia do Senhor. Abraão e Isaque são um tipo, ou uma ilustração, de Deus, o Pai e Cristo, o Filho.

PALAVRAS ORIGINAIS

Embora alguns pareçam pensar que a Bíblia em Língua Portuguesa seja praticamente o texto original, crentes mais bem informados sabem que Deus inspirou Sua Palavra séculos atrás em hebraico (e uma pequena

parte em aramaico) no Antigo Testamento, e em grego, no Novo Testamento.

Como o Antigo Testamento e o Novo Testamento foram escritos em línguas diferentes, obviamente as palavras que subjazem uma outra palavra serão diferentes nos dois Testamentos.

DICIONÁRIOS BÍBLICOS

Se você quiser fazer um estudo sobre um local bíblico, tal como Jerusalém, Síria, Edom, Antioquia, ou Roma, você pode procurar todos os versículos onde esse local é mencionado e aprender muitas coisas sobre ele. Isto também se aplica a coisas (árvores, animais, plantas, instrumentos, etc.) e, logicamente, pessoas – como tribos, nacionalidades, ou indivíduos nominados.

Mas talvez você queira mais informações de pano de fundo para enriquecer sua compreensão sobre o contexto bíblico. Talvez você queira saber como era uma prensa antiga de vinho, ou um burro selvagem, ou o Templo de Salomão. Dicionários bíblicos, assim como antigos dicionários de línguas, tinham pequenos desenhos em preto e branco de coisas que são mais fáceis de mostrar do que de descrever (uma túnica, um zambujeiro, uma hiena, por exemplo).

Dicionários bíblicos mais recentes geralmente trazem fotografias coloridas ou em preto e branco de locais bíblicos, mapas, e pinturas coloridas de objetos que já não existem mais, tais como o Templo de Herodes.

Infelizmente, alguns dos dicionários bíblicos muito artísticos possuem algumas interpretações não bíblicas, literais, radicais, feministas, ou outras, espalhadas no meio de material puro e sem contaminação. Estar consciente destas tendências é como “uma palavra dita aos sábios”.

ATLAS BÍBLICOS

Uma religião fundada nos Estados Unidos no Século XIX possui um livro o qual os Mórmons consideram

como tendo a mesma autoridade que a Bíblia. Ele é cheio de batalhas sangrentas, tribos, indivíduos nominados e lugares supostos. Nem um desses eventos, povos, tribos, ou lugares possui qualquer comprovação histórica dentro da história secular, ou na geografia, ou nem mesmo nas tradições.

Não é assim com a Palavra de Deus! Centenas de cidades, países, rios, montanhas, líderes seculares conhecidos além das páginas sagradas da Bíblia também aparecem na Palavra de Deus.

O falecido Dr. H. Chester Woodring costumava dizer que ir à Terra Prometida e ver aqueles lugares em primeira mão “tira a Bíblia de seus prendedores celestes e a planta em terra firme”. Em segundo lugar, sendo que o primeiro é uma viagem a Israel, um bom atlas bíblico é o que mostra melhor o desenho das terras da Bíblia. A maior parte das Bíblias possui alguns mapas na parte de trás e algumas possuem pequenos mapas em preto e branco que ilustram especialmente alguns eventos (o ministério de nosso Senhor, as viagens de Paulo, por exemplo.)

Mas, mapas de tamanho grande do mundo antigo, mostrando as caminhadas dos filhos de Israel, o Reino Dividido, a Palestina nos tempos de nosso Senhor, e a localização das sete igrejas de Apocalipse, nos ajudam a trazer aqueles acontecimentos à vida.

Se você ensina a Bíblia, mapas grandes sobre um tripé podem acrescentar real interesse a suas descrições verbais. Eles podem ser vistos e encomendados em sua livraria cristã local.

COMENTÁRIOS BÍBLICOS

Qualquer livro famoso pode ter comentários impressos a seu respeito. Antes de sua conversão, João Calvino, por exemplo, escreveu um comentário sobre um escrito do Romano Seneca (em latim!).

Existem miríades de comentários sobre a Bíblia, bons, ruins, indiferentes.

Dois extremos devem ser evitados no que se refere aos comentários. Um é ir aos comentários primeiro e fazer deles o padrão para o que a Bíblia ensina. Isto é semelhante à tradição dos fariseus ou ao cristianismo na era medieval.

Julgue os comentários por meio do ensino geral da Bíblia, e não vice-versa.

O outro extremo é rejeitar totalmente os comentários. Isto é tão imperdoável quanto rejeitar a Palavra pregada. Por exemplo, muitos dos trabalhos espiritualmente reveladores de J. N. Darby, por exemplo, não foram escritos como livros, mas foram notas tomadas por aqueles que participavam das “Leituras Bíblicas”. (Essas “leituras” eram e são discussões versículo por versículo da Bíblia, geralmente diante de uma congregação, feitos por homens firmados (esperamos que sim) nas Escrituras Sagradas.)

A CHAVE INTERLINEAR

Muitos estudiosos aplicados da Bíblia ficam intrigados com as diferenças entre as várias traduções da Bíblia. Como todas as línguas sofrem transformações com o passar do tempo, não é tão difícil ver porque, por exemplo, a NVI utiliza uma linguagem mais atualizada. Todavia, por que todas as traduções feitas entre os anos 1970 e 1990 são diferentes quanto à escolha das palavras, a ordem das palavras e quanto àquilo que está incluído ou é omitido?

A chave interlinear é um instrumento de ajuda para conferir uma tradução no que se refere a quão próxima ela é do original – ou quão distante está. Ela também geralmente traz uma tradução padrão em letras pequenas escritas na margem para o leitor comparar.

Como a tradução palavra por palavra é às vezes difícil de entender, quando necessário são colocados números nessa edição acima das palavras para ajudar o leitor a colocar a

tradução super-literal de uma forma semelhante à ordem de palavras normal em inglês. Algumas outras interlineares fazem a mesma coisa em um grau mais baixo.

Mesmo palavras numeradas nem sempre são o suficiente. Por exemplo, uma construção gramatical que existe em grego, mas não existe em inglês fica geralmente mais clara através de uma segunda linha que seja mais idiomática.

Ao usar esses números e a segunda linha em inglês, pelo uso constante, um aluno interessado da Palavra pode obter uma ideia da estrutura do grego.

Uma pessoa não precisa conhecer o alfabeto grego para usar uma interlinear, mas saber tomará o trabalho mais fácil de seguir. Felizmente, a ortografia da língua grega é consistente, portanto, à medida que você aprende a pronúncia das letras, nunca mais será necessário buscar um dicionário para ver como a palavra é pronunciada.

O Novo Testamento Trilíngue e o Antigo Testamento são ferramentas semelhantes a essas chaves interlineares, trazendo as explicações em português sobre o significado das palavras no original.

O DICIONÁRIO

Muitas pessoas não percebem como um dicionário em português pode ser útil para ajudar a esclarecer nossas traduções da Bíblia.

Pessoas comuns, assim como os estudiosos, têm usado dicionários também comuns com bastante vantagem. O amado estudioso do Antigo Testamento, Dr. Merrill F. Unger, costumava ler o dicionário como se fosse um livro, e não apenas para procurar o significado das palavras. Alguns podem dizer: “Mas ele era um perito”. Verdade, mas os que não são peritos também podem se beneficiar grandemente do significado preciso das palavras.

Um jovem imigrante de Lower Farstad, parte da ilha habitada no extremo sul da Noruega, não apenas praticava

dizer “3.333” (Three thousand three hundred and thirty three) em inglês todos os dias, em frente ao espelho, para aprender a pronunciar o som do “th”, mas também, como o Dr. Merrill F. Unger, lia o dicionário com frequência procurando as palavras. Ao fazer isto, ele desenvolveu um vocabulário melhor do que a maioria dos cidadãos falantes nativos.

Qual dicionário você deveria usar? Vários são bons, mas deve-se ter o cuidado de evitar o uso dos que cedem a padrões baixos da língua e de gírias.

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *