A Identidade Recuperada ( Parte XXII )

Líderes evangélicos convidam para orar e jejuar pelas eleições
30/08/2014
Catolicismo – Maria-de-Menos e Maria-Demais?!
30/08/2014

Uma das facetas mais tremendas do poder de Deus é que sempre existe uma possibilidade de redenção. O plano de Deus têm uma dinâmica sobrenatural de prover novas oportunidades. Deus sempre tem um plano para aqueles que saem do plano, e isto sempre numa ação contínua. Se você se identifica com Judá, que ao se refugiar na imoralidade foi despojado destes elementos básicos da identidade, vivendo sem convicção de propósito, divagando em várias indefinições, deixando um rastro de morte e relacionamentos destruídos, saiba que Deus sempre tem um plano de recuperação.

Existe ao nosso dispor uma provisão de autoridade, que procede do sacrifício de Jesus, suficiente para nos restítuir tudo que cedemos ao inimigo. Obviamente que isto exige um preço de muito quebrantamento espiritual e obediência da nossa parte. Vamos ver algumas promessas e princípios que promovem a redenção da nossa identidade: 1. Anel de selar: Princípios de arrependimento A grande chave para recuperar o selo, retomando o referencial da nossa identidade em Deus é um profundo e genuíno arrependimento.

Jesus promete: “Ao que vencer… dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que recebe”. (Ap 2:17) Temos aqui, em questão, a igreja de Pérgamo, que apesar de possuir muitas virtudes, caiu terrivelmente na armadilha da sensualidade. Estavam sendo induzidos pela doutrina de Balaão, que como já vimos se resume numa incitação à imoralidade. Jesus traça um caminho para quebrar as ligaduras da imoralidade. Depois de um apelo ao arrependimento, Ele desafia a igreja de Pérgamo a ouvir e entender a voz do Espírito, que estava movendo no sentido de recuperar a identidade corrompida e furtada pelo espírito de sensualidade.

Para os que se posicionaram e venceram, é oferecida uma pedra branca com uma revelação estritamente pessoal da identidade espiritual. Esta pedra branca, na verdade, trás consigo três significados básicos: Era usada como um voto em benefício de um réu nos júris, ou seja, uma afirmativa da nossa absolvição, expressando o fato de que fomos perdoados em Cristo a partir de um arrependimento profundo e verdadeiro. Era, também, na antigüidade, usada como documento de um escravo libertado, explicando que não apenas fomos perdoados, mas libertos do poder do pecado e de qualquer tipo de força que possa nos escravizar, mantendo genuinamente uma postura de renúncia aos desejos e sentimentos pecaminosos.

E, por fim, esta pedra tinha uma revelação pessoal, um novo nome, a maneira como Deus nos conhece e nos chama, ou seja, uma identidade divina que vem romper e substituir a identidade que o diabo tentou forjar em nós. Jesus quebra o jugo da imoralidade, libertando e resgatando nossa identidade para que possamos ser confortavelmente nós mesmos nele e para glória dele. Foi exatamente isto o que aconteceu com o filho pródigo, quando Jesus fala que ele “desperdiçou toda a sua fazenda vivendo dissolutamente”. A palavra “dissolutamente”, no original, descreve uma vida devassa, promíscua e libertina.

Esse rapaz, assim como Judá, perdeu a sua identidade numa vida entregue à imoralidade, mas quando se arrependeu e voltou para a casa do pai, a primeira coisa que ele recebeu foi um anel, o selo da identidade que o reintegrou novamente na família, o direito de assinar que lhe delegava novamente responsabilidade e posse sobre todos os bens do pai: “Mas o pai disse aos seus servos:… porta-lhe um anel na mão…” (Lc 15:22)

O ponto de partida para a restauração da identidade é simplesmente um arrependimento verdadeiro onde vemos nosso pecado com os olhos de Deus, sentimos nosso pecado com os sentimentos de Deus e a partir daí fazemos o que precisa ser feito quebrando o espírito de rebelião e independência.

Pr.Raul
Pr.Raul
Pastor do Ministério Nascido de Novo e coordenador do Seminário Teológico Nascido de Novo, Youtuber e marido da Irmã Vanessa Ângelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *