FERVOR: SUA DEFORMAÇÃO E SUA PRESERVAÇÃO – Teologia Pastoral