A AUTO-VIGILÂNCIA DO MINISTRO – Teologia Pastoral